Quando o poder é absoluto. Da ucrânia aos milagres via TV!



Afinal não são só os Russos que colocam operacionais na Ucrânia… Admirados? Eu não… Nada mesmo, até porque isto já se sabia desde há muito tempo. O USAID, o Freedom House eram os meios mais comuns de introdução de operacionais disfarçados. Com o recente golpe de estado, a situação só não saltou à vista de quem não quis ver.Já não são apenas os costumeiros agentes do FBI e CIA que, segundo fontes da Casa Branca, estão na Ucrânia prestando "guidance" e "advisory" ao governo.


Desta feita, noticiaram vários órgãos de comunicação social Alemães (ah, ah, ah…pensavam que eram Portugueses? Que ingénuos!), que cerca de 400 operacionais das empresas americanas de mercenários “Blackwater” e "Academi" estão em solo Ucraniano. Vem dizer o jornal Bild que estes rapazolas estão lá para: "are involved in a punitive operation mounted by Ukraine's new government" against east Ukraine separatists. Palavras dos próprios... Também o Der Spiegel refere que Merkel foi informada do facto pelo "BND", a policia secreta Alemã.

Mas a sério, o que fazem lá eles? Distribuirão “liberdade” e “democracia” a rodos? Como no Iraque? Combaterão pelos direitos humanos contra os malvados dos Russos comandados pelo seu Putin “o terrível”? Como em Abu graib, Guantanamo ou Bengazi? Protegerão, estes anjos armados abençoados por Jeová, os pobres, oprimidos e esfaimados ucranianos, espoliados pelos exploradores oligarcas pró Russos ou pró Ocidentais? Como o fazem nos EUA, na Europa ou na América Latina? Não… Claro que não.

Estes rapazes, armados até aos dentes, treinam, comandam e orientam os nazis do Sector Direita, para que estes se organizem e tenham eficácia na matança. Foi por isto que foi o presidente ilegítimo ter com Obama à Casa Branca. Foi por isto que 40 toneladas de ouro Ucraniano seguiram para os EUA, logo no princípio da crise, sob o pretexto de, constituídos os EUA como fiéis depositários, guardarem o ouro das garras Russas. Perguntem aos Alemães onde estão as 300 toneladas que, supostamente, já deveriam ter sido devolvidas desde a 2ª Grande Guerra.

Para quem quer confirmar, e ainda não se convenceu, ficam aqui os links da notícia:

 http://www.zerohedge.com/news/2014-05-04/dozens-cia-fbi-agents-advising-ukraine-government-german-press-reports

 http://www.spiegel.de/politik/ausland/ukraine-krise-400-us-soeldner-von-academi-kaempfen-gegen-separatisten-a-968745.html

 http://rt.com/news/158212-academi-blackwater-ukraine-military/

 http://www.zeit.de/politik/ausland/2014-05/ukraine-live-blog-russland-sonntag

A conclusão do jornalista do órgão ZeroHedge, um jornal electrónico que pretende estar fora da chamada comunicação social de "referência", e que pratica a liberdade de imprensa, sem directores a dizer o que publicar (visto que os jornalistas publicam directamente no site), é a seguinte: "é estranho alguma comunicação social Alemã publicar noticias que não prejudicam mais do que os próprios EUA, como se houvesse alguém, com tanto poder ou dinheiro e com interesses divergentes e ao mesmo tempo coincidentes com os interesses Russos e Chineses". Admirados? Eu não. O Capitalismo é mesmo assim. Os "maus" são iguais, de um lado e de outro. No capital não existem lados. Só bolsos :-).

Agora, aparte de visões maniqueístas, que muito à americana colocam os “good guys” no ocidente e os “bad guys” no resto do mundo, numa espécie de segunda versão do “povo eleito”, a verdade é que a Ucrânia está desgovernada, o seu povo assustado e sem qualquer esperança no futuro. Até o exército ucraniano está dividido entre Leste e Oeste. Leste e Oeste é a designação correcta, porque nem todos são pró qualquer coisa. Por exemplo, um dos maiores protagonistas dos protestos e chefe de uma milícia, classificada como “pró Russa” pelo ocidente, assume-se como Cossaco e assume nada ter a ver com russos. Mas é assim! O maniqueísmo dá muito jeito como forma de propaganda. Ao jeito de Goebbels, se queremos ganhar a batalha da propaganda, basta arranjar uns “maus” quaisquer para combater. Estão arranjados.

Na guerra não há santos, não há pecadores, não há bons, não há maus. Na guerra há, tão-somente, vitimas. E as vítimas maiores, hoje em dia, são os que não combatem. Na guerra todos perdem e todos são culpados, porque qualquer solução é melhor que a guerra. Portanto, escusam os centro-ocidentalistas de vir com tangas de “bons” contra os “maus”. De “bons” que podem ocupar países, despedaçá-los (como na Jugoslávia e na sérvia com o Kosovo – agora já não gostam), que podem influencia, apoiar, comanda e dos “maus” que não podem colocar o pé fora do seu quintal sob pena de serem acusados de invasores. De “bons” com porta-aviões no Mar Negro e de “maus” que, se mobilizarem uma coluna militar é porque se estão a preparar para a invasão eminente. De bons que podem ir à Ucrânia e aparecer ao lado dos insurgentes, e dos “maus” que se o fizerem é porque estão a violar tratados. De “bons” que tem direito a colocar a Ucrania na Nato e na EU e de “maus” que não podem integrá-la na CEI. De “bons” que podem fazer golpes de estado, atirar na sua própria polícia, ocupar sedes de sindicatos e partidos de que não gosta, ilegalizar partidos, perseguir e julgar sumariamente cidadãos opositores e de “maus” que se fizerem o mesmo já são terroristas. Mesmo que os Russos fossem os piores do mundo, mesmo que o Putin “o terrível” fosse o pior do mundo (se o for, só tenho pena do povo Russo, pois ele não é da minha laia), como explicar ao povo Russo, ao povo Ucraniano russófilo, pró russo ou simplesmente anti ocidente e anti nazi que, tudo o que uns podem, os outros nem pensar? Com base em que moral universal se pode fazer tal coisa?

É o mesmo que explicar a um Iraniano que ele, por se muçulmano, não pode ter no seu país armas nucleares. Mas se fosse Judeu, ou cristão… Como explicar isto a estas pessoas?

Sabem o que digo? Digo que os muros não acabaram coisa nenhuma. Hoje em dia cada vez mais içamos muros à nossa volta. Desde os muros no Brasil, dividindo ricos e pobres, os muros nos EUA dividindo-os México, na Palestina, dividindo-a de Israel. Na Europa, dividindo-a da Rússia. Na Europa, dividindo proprietários (agora empresários, investidores e empreendedores) de povo e trabalhadores. Nunca, como antes, erguemos tantos muros.

Como dizia alguém, “o poder absoluto corrompe absolutamente”. Neste momento, temos a desgraça de viver numa sociedade que é dominada por uma classe dominante que tem o poder absoluto. Esta é uma característica das idades médias. Esta é uma característica do fim da civilização e da consolidação do Império. Foi isto que o fim do muro ideológico que era o muro de Berlim nos trouxe. O poder todo numa só mão. Foi este o legado do Papa João Paulo II, agora santificado por ter cometido um milagre via TV!

Ainda hei-de ver um papa santificado por fazer milagres via net, facebook ou twitter. Uma espécie de milagre virtual… Como todos o são, de resto!

Virtual, contudo, não será, certamente um guerra e, não vos causa estranheza que o único lado que até agora falou de guerra foram os EUA? Nem a Europa, nem a Rússia, só os EUA. Têm a mão pesada estes tipos e vão-nos levar a todos pelo cano abaixo, ai vão, vão.



Reacções:

0 comentários: