Neo fascismo? Tirania? Ou simplesmente... Incultura?

«É necessária alguma forma de escrutínio da actividade dos juízes do TC». «É necessário pensar em sanções que possam ser aplicadas aos juízes do TC, responsabilizando e penalizando-os, em virtude das suas decisões». Foram, mais ou menos, as palavras que todos tivemos a oportunidade de ouvir a Passos Coelho e companhia, nos dias seguintes após a decisão do Tribunal Constitucional (TC). Não sei o que me alarma mais: se as palavras neo fascistas de Passos & Cia; se o silêncio retumbante de jornalistas, comentadores e de muitos políticos. Para um verdadeiro democrata, a simples pressuposição de tais acções, é assustadora! Principio da separação de poderes, já ouviram falar?


Neo-fascismo assumido

Foi assim que Passos & e Cia perpetraram mais um violento ataque à democracia. Já  tínhamos constatado, de facto, a postura e ideologia neo fascista das tropas de assalto que tomaram conta do nosso sistema democrático. Depois do ataque ao estado social; da consagração, deificação e condecoração de tudo o que é ser especulador, explorador e usurário; depois da "re-instituição" do principio da primazia do capital sobre o trabalho; depois da diabolização da constituição nascida de Abril, já nada seria inesperado no plano do ataque à democracia e ao estado de direito democrático.

Aliás, apenas o conformismo e seguidismo, em relação ao sequestro da nossa soberania, destoariam do tom, assumidamente salazarista, deste governo. Mas, daí o prefixo "neo" antecipando o termo "fascismo".

O assalto ao principio da separação de poderes

Agora, a inovação que constato é a seguinte: então esta companhia de assalto à democracia social nascida de Abril, vem atacar o Principio da separação de poderes, e toda a gente fica calada? Só para que conste: o principio da separação de poderes é um principio nascido da revolução Francesa, característico de toda e qualquer democracia que se preze, sendo a sua supressão e/ou violação, uma das mais constantes características das ditaduras ou das degradação das democracias.

Este principio garante a independência da justiça face ao poder político. Se, mesmo assim, assistimos, de forma continuada, a indícios de  influência e comércio de interesses entre a justiça e o poder político... Imaginem agora, o que seria, um sistema, ao abrigo do qual seria permitido ao poder politico, penalizar, sancionar ou responsabilizar, por qualquer meio, o poder judicial, sempre que as suas decisões não lhe interessassem.

Imaginem o que seria, cada juiz deste país, preocupado com o que lhe poderia acontecer pessoalmente, sempre que uma decisão judicial não agradasse ao responsável politico atingido. Podem dizer-me que já foi assim; podem dizer-me que, por vezes, acontece; podem dizer-me que nem sempre a independência da justiça é garantida... É verdade! Mas pior seria se, essas intromissões fossem assumidas à partida como legais e legítimas. Seria o fim da nossa democracia.

Quem cala consente

Assim sendo, só a simples pressuposição desta possibilidade é, por si só, suficientemente assustadora. Mas mais assustador é o facto de não ter ouvido, um jornalista ou um comentador, atacar ou questionar tal afirmação. Só a simples ideia de que a classe dominante, que controla a comunicação social, o governo e o sistema económico, aceita com a passividade constatada, a proposta de Passos Coelho, de que os juízes têm de ser escolhidos a dedo (como se não o fossem já) e, acima de tudo, de que estes juízes têm de ser responsabilizados pelas decisões que não agradam, revela o ideal anti democrático de tais gentes.

Para eles o povo não é o país. O país é a sua riqueza e o seu poder

Será que se calaram devido ao facto de Passos dizer tanta asneira e mentira que já ninguém o leva a sério? Alguns, certamente. A maioria não. E essa maioria, são os mesmos que acham bem o FMI, a Alemanha e os EUA ditarem os nossos destinos. São os mesmos que reverenciam e temem mercados, investidores e outras forças ocultas. São os mesmos que compactuam com a especulação criminosa que estrangula o nosso país. São os mesmos que idolatram Belmiros e Amorins como deuses do seu Olimpo de corrupção, exploração e usura. São os mesmos que dizem que o "país está melhor, o povo está pior"...

São estas pequenas coisas que revelam os ideais antidemocráticos que nos governam. São estas pequenas coisas que mostram o porquê de a extrema direita estar de volta ao poder. São estas coisas que mostram o compadrio entre capitalismo e fascismo. São estas coisas que explicam porque esta gente chama "povo" aos nazis da Ucrânia.

A boca diz a verdade do contexto em que se vive

Agora percebo porque é que Cavaco falava do "Dia da raça". Sai-lhe a expressão porque, no seu meio, no seu contexto humano e social, é normal a utilização de tais afirmações.

Tenham cuidado, muito cuidado!


P.s. Luis Amado e Proença de Carvalho, na TSF diziam: «O PREC destruiu tudo o que havia de bom antes do 25 de Abril. Foi um retrocesso de 20 anos. O país tinha evoluído muito nos anos 60 e o 25 de Abril atrasou tudo. Deveria ter acontecido como aconteceu na Espanha, uma transição pacífica».

Estamos conversados?
Reacções:

0 comentários: