Hong Kong, Kiev e Brasília: Cidades de um mundo que se quer libertar!

 O "modus operandi" é bem claro e estereotipado. Luta, caos, barricadas e desobediência civil nas ruas; a comunicação social corporativa, ou como lhe chamaram, a"propaganda média", dominada pelos EUA a berrar as "verdades" da ordem; processo eleitoral viciado à partida descambando na eleição de um fantoche manipulado pela "administração". Se este processo não funcionar, está sempre aberta a possibilidade de descarregamento das bombas amigas, dos mísseis humanitários e da balas libertadoras.



Mais uma vez se vêm revelar provas de que os actuais confrontos em Hong Kong têm na sua base organizacional e promocional, as organizações Americanas NED (National Endowment for Democracy), o IRI (International Republican Institute) ou, ainda, o NDI (National Democratic Institute). Este tipo de acção repete-se historicamente, de forma tão óbvia quanto latente. 


Há uma coisa que os BRICS e todos os países que, lutando pela liberdade, querem libertar-se das garras do Império Nazi-Capitalista que os EUA representam, têm de meter na cabeça: as ONG's Norte Americanas constituem um dos pilares mais fortes e estruturantes da sua estratégia de domínio internacional. É por isso que o congresso gasta o equivalente a um PIB Português com estas organizações...

Em Hong Kong, o propósito dos EUA é muito claro: criar uma onde de desestabilização e ansiedade "democrática" que se estenda a toda a China. Se não se estender, pelo menos desestabiliza um dos principais centros económicos do país e um dos principais pilares de um futuro Banco Internacional.

Esta estratégia de desestabilização é, aliás, global. Os EUA jogam pesado e de forma cada vez mais acirrada, contra os interesses dos países que se querem libertar das amarras do neo-liberalismo e do nazi-capitalismo dos EUA.  Sabem eles, que os BRICs são uma das mais importantes ferramentas desse processo de libertação mundial daquela que os EUA tentaram impor como sendo a "New World Order".

Assim, esta acção em Hong Kong vem na decorrência de duas outras: a da Ucrânia, com vista à diabolização, desestabilização e isolamento da Rússia, privando-a de poder económico e político;  com o apoio a Marina, a candidata que, depois de um "azar" do anterior secretário geral do PSB, aparece vinda do céu a lutar pelos "pobres e oprimidos" brasileiros. 

O "modus operandi" é bem claro e estereotipado. Luta, caos, barricadas e desobediência civil nas ruas; a comunicação social corporativa, ou como lhe chamaram, a"propaganda média", dominada pelos EUA a berrar as "verdades" da ordem; processo eleitoral viciado à partida descambando na eleição de um fantoche manipulado pela "administração". Se este processo não funcionar, está sempre aberta a possibilidade de descarregamento das bombas amigas, dos mísseis humanitários e da balas libertadoras.

É sempre esta a história. Foi assim na Sérvia e na Ex-juguslávia, foi assim na primavera árabe, foi assim na revolução laranja. Tudo isto fazem com a ajuda das "boazinhas" e "solidárias" ONG's, impregnadas de agentes da CIA e sabe-se lá mais o quê. No fim, depois da aparente mudança, tudo muda, mas para pior.

Os EUA sabem que, a provocação de um atraso nos planos BRIC, passa pelo enfraquecimento dos seus 3 pilares mais efectivos: a Rússia, o Brasil e China. Os EUA sabem que o processo é inevitável, mas se puderem atrasá-lo...

O que, contudo, pode dar-nos alguma razão para optimismo, é o facto de sabermos que, quanto mais acérrimos se mostrarem os EUA na defesa e imposição dos seus interesses, mais fraqueza demonstram, maior dificuldade de estancarem o processo libertário revelam. Esperemos para ver, mas, para nosso bem, o mundo nunca mais será o que era. O fim da guerra fria, como auge que foi o Império ocidental, foi também o iníciod a sua decadência. Depois de um pico... Só resta uma descida. E essa j+a começou.


Ficam aqui alguns escritos que vos podem ajudar a perceber um pouco melhor esta realidade:

http://www.globalresearch.ca/us-now-admits-it-is-funding-occupy-central-in-hong-kong/5405680








.
Reacções:

0 comentários: