Tristeza, alegria, apreensão e um imenso orgulho! Nem todos são iguais!



Correndo-se com os Sócrates, os Mendes, os Coelhos e os Portas, será que a corrupção... O arco da corrupção, fica definitivamente limpo? Não acredito! E este é o drama deste país e a causa da minha (nossa) tristeza. É que, depois disto tudo, os grandes corruptores, aqueles que incentivam, determinam e motivam a corrupção; aqueles que, utilizando o poder que o dinheiro confere, através do financiamento dos pardidos do arco do regime, fazem do conluio e do tráfico de influências o sustentáculo do seu negócio; esses, meus caros, esses continuam a mandar!




Numa altura e que o país passa uma crise sem antecedentes, há que estabelecer as devidas diferenças...

A actual crise de corrupção vem colocar a nu todas as malvadezas que têm sido perpetradas em cima deste sacrificado povo. A actual crise de corrupção desenfreada, com toda a tristeza que produz, permite também distinguir os agentes e desmascarar o chavão tantas vezes gritado "são todos iguais"!

Aliás, a reacção do director do Pasquim "I" teve uma reacção que diz tudo do seu carácter, do seu espírito democrático, da sua entrega à verdade e do papel propagandístico do seu monte de papel de terceira categoria, que ninguém lê, nem dado e a que ele chama de Jornal. Só a história do seu financiamento já me faz levantar demasiadas dúvidas!

Eu, ao contrário do que muitos possam pensar, sinto-me deveras triste com toda esta situação. Nenhum democrata se pode sentir verdadeiramente contente. Acredito até que, numa reacção meramente epidérmica, a tentação inicial possa ser de "alegre euforia". Contudo após uma reflexão profunda, cruzando a crise de corrupção com a crise económica, social e política por que passa o país, o consternamento atingirá, com toda a certeza, aquele que, honestamente, dedica a sua vida à transformação social e à luta por uma sociedade mais justa e avançada!

E porquê? Porque numa situação em que o país atravessa uma crise sem precedentes, em que todas as energias deveriam estar a ser canalizadas para a discussão das alternativas e das soluções, não! Todas as energias, ou pelo menos as tradicionais, passam a estar canalizadas para o julgamento (sempre necessário) dos culpados. Mas serão estes os verdadeiros culpados. Correndo-se com os Sócrates, os Mendes, os Coelhos e os Portas, será que a corrupção... O arco da corrupção, fica definitivamente limpo?

Não acredito! E este é o drama deste país e a causa da minha (nossa) tristeza. É que, depois disto tudo, os grande corruptores, aqueles que incentivam, determinam e motivam a corrupção; aqueles que, utilizando o poder que o dinheiro confere, através do financiamento dos partidos do arco do regime, fazem do conluio e do tráfico de influências o sustentáculo do seu negócio; aqueles que escolhem, influenciam e detêm os instrumentos de comunicação que tanto responsabilizam como branqueiam; aqueles que escolhem as suas marionetes simplesmente porque elas são desprovidas de caráter... Esses, meus caros, esses continuam a mandar.

E este, meus caros, este é o grande drama. Quem manda continuará a mandar e só reiterará benefícios da descredibilização do sistema político. Mais uma vez, colocarão a sua brigada de "jornaleiros", "comentadadeiros" e "paineleiros", a contribuir para a confusão! Mais uma vez tratarão de fomentar a discussão do acessório e não do fundamental... O país, ao invés de falar do governo e do desgoverno que significa, falará do Sócrates e dos Visa Gold, sem que apontem uma luz ao fundo do túnel.

Mas isto não significa que não haja saída. Mais uma vez, haverá um partido que tentará afirmar a sua alternativa, que contra a confusão que visa colocar tudo ao mesmo nível, tentará dizer a alto e bom som "nós não somos iguais"! Mais uma vez, o ruído provocado por quem manda, tentará abafar este grito de raiva, de irreverência e de afirmação da diferença!

Eu, cá por mim, com toda a minha tristeza, nunca tive tanto orgulho e senti tanta alegria de pertencer a um partido que não faz parte, não toma partido, não se confunde nem se quer confundir como o "Arco da Corrupção"! É preciso dizer qual é!

Para bom entendedor meia palavra basta! É sempre o mesmo e um dia todos os verão da forma mais cristalina. De todos os pecados que todos os seres humanos e as suas organizações cometem, um há que tem minado toda a sociedade portuguesa e que o meu partido não comete: O da ganância, o da luxúria! Que assim continue que vai elo caminho certo... Certamente!

P.S. O cidadão José Sócrates merece-me, como qualquer outro, a presunção da sua inocência com base no princípio "in dubio pro reo". Este é um principio fundamental do direito criminal Português e não serei eu que o colocarei em causa. Contudo, também como cidadão, tenho o direito a perguntar-me: como raio é que um 1.º Ministro, ex-Ministro, ex-deputado e ex-engenheiro técnico teria 3 milhões de Euros para comprar uma casa no bairro mais abastado de Paris? Como raio é que o cidadão José Sócrates teria capacidade para "poupar" 20 milhões de Euros? Como raio é que o "socialista" José Sócrates teria dinheiro para vestir, em Nova Iorque, na loja de roupa mais cara do mundo? Como raio.....
Reacções:

0 comentários: