Ilusões de invisibilidade


Laureni Santori, famosíssimo estilista da moda mundial, reconhecido pela sua “fineza” estética (e corporal) é o patrão da associação mundial das empresas de moda. Este senhor, amante do bonito e do belo, duas das qualidades imprescindíveis para quem anda nestas lides (embora muitas vezes não se saiba bem a que bonito e belo de referem) é o responsável pela sobrevivência e expansão da indústria da moda.

A indústria da moda, como indústria da aparência é também a indústria da ilusão. A ilusão de que qualquer um pode chegar aos estereótipos criados e difundidos. Alguns, só por via da ilusão de óptica, é verdade, pois a sua aparência não lhe permite outro tipo de ilusão mais materializável, mas mesmo assim, também têm o direito a acreditar de que um dia, com muitíssimo esforço, farão parte desse mundo de hologramas e efeitos de photoshop, que é o mundo da moda.

Um desses estereótipos, mais difundidos por Laureni Santori, é o da magreza extrema. As modelos e os modelos são cada vez mais magros, aliás, qualquer dia, quem ficar de lado nos desfiles, não vê os manequins, mas isso é um pormenor muito pequeno, em função do pormaior que levou Laureni Santori a querer difundir (ao contrário da moda dos anos 20 e 30 que difundia a ideia de mulher redondinha, trigueirazinha, forradinha…Aí que saudades desse tempo!) a ideia de magreza em que assenta a ilusão da moda actual.

E que pormaior é esse? Pois é, já pensaram em quem ganha com essa ideia de magreza extrema? Vamos fazer a lista:

• Os psicólogos e pedopsicólogos, ao tratarem os jovens e adultos com problemas de anorexia e bulimia. Se o estereótipo apontasse para pessoas mais “normais”, já viram o dinheiro que o estado poupava em Saúde Mental? E as pessoas andariam muito mais satisfeitas, não?

As conversas das mulheres em vez de – Então Maria, já se nota um pneuzinho, tens de emagrecer. Seriam – Então Maria, não tens pneuzinho nenhum? Tens de engordar! (até a agricultura e a industria alimentar se desenvolviam mais). Ou ainda: - Então Maria, a gravidez deixa marcas, não é? Ainda vais levar tempo a voltar ao lugar! E em vez disso: - Então Maria, a gravidez fez-te muito bem! Está mais bonita! (até a natalidade subia, o que era bom para contrariar o envelhecimento da população).

• Os investidores em Centros de plásticas e estética corporal. Quem quereria bandas gástricas e lipoaspirações? Em vez disso, far-se-iam “extensões gástricas” e “lipointroduções” para os mais magrinhos.

• Os investidores em ginásios, spas e health centers. Não haveria lugar para vícios do desporto e da actividade física extrema. O desporto voltaria a ser visto como algo de saudável e com vista ao desenvolvimento humano e não como um caminho sem fim para a magreza extrema.

As conversas seriam: - Então, foste ao ginásio hoje? Vê lá se não voltas lá amanhã! Tanto ginásio põe-te fora de forma!

• Os empresários de pastilhas e comprimidos dietéticos. Quem os tomaria? Voltariam os tempos em que se iria à farmácia pedir umas vitaminas porque se andava sem apetite. Hoje em dia, a maioria das pessoas, quando não têm apetite, saltam de contentes.

• Os empresários de comida light. Quem pediria um queijo da serra light? Ou uma compota light? Ou um pacote de leite com chocolate light? Ou um chouriço light? Em vez disso, a industria alimentar tradicional seria o orgulho da nação, sem preconceitos e sem terem de viver com a consciência pesada de ter de enganar o público em geral, tendo de chamar light a coisas que de light nada têm.

• Os nutricionistas e outros. Quem iria ao nutricionista? Só quem queria engordar.

• Os fabricantes de cremes para criar a ilusão de que se emagrece. As pessoas compram esses cremes, colocam-nos todos os dias, várias vezes ao dia e até aprece que fazem efeito, porque basta ter a ilusão que fazem.

• Os fabricantes de espelhos em que as pessoas parecem mais magras.

Pois é, vou registar a patente de um espelho destes, afinal, num mundo de ilusões tanto faz ser magro, como parecer magro. Não?

Agora vejam, como Laureni Santori merece o Nobel da economia. Já viram que indústria da magreza existe por causa do seu estereótipo? Até custa a crer que alguém tenha pensado nisto não?

Laureni Santori não existe…ou talvez sim...

Hugo Dionísio


Reacções:

3 comentários: